Skip to content

Saiba porque a Obesidade está ligada às emoções

Certamente, você já conhecido alguma pessoa que sofre de obesidade Pode ser simpático ou a simpática do grupo ao qual fazia parte. Em muitas ocasiões suas faces expõem um grande sorriso, mas com olhos de muita tristeza.

As pessoas obesas podem aparentar ser feliz –e sem problemas na interação social–, mas, ao mesmo tempo, ter sentimentos de inferioridade, dependência e grande necessidade de ser amados.

Apesar de que muitos estereótipos difundir a imagem de que as pessoas “llenitas” são engraçadas e joviales, o certo é que costumam estar sujeitas a constantes críticas, piadas pesadas, pressões e expressões ofensivas por parte dos que os rodeiam, de modo que podem experimentar sentimentos de angústia, tristeza e depressão leve, mesmo em idades muito precoces.

Sabe-Se que a obesidade favorece o aparecimento de câncer, diabetes, hipertensão, infartos cardíacos e cerebrais, distúrbios no sono e desgaste de articulações, mas não sempre se fala das conseqüências desfavoráveis que gera na saúde emocional e auto-estima do indivíduo.

A obesidade é a causa e a consequência de inúmeros problemas psicológicos. O excesso de peso tende a provocar transtornos como a depressão ou a ansiedade, é um problema que dificulta a forma de vestir, o exercício diário, ou até mesmo, o simples fato de sentar-se. Altera a auto-estima e qualidade de vida das pessoas, as quais muitas vezes são discriminadas.

De acordo com relatórios emitidos pela Organização Mundial de Saúde, a obesidade é um dos 10 principais desafios que deve enfrentar a ciência médica em todas as nações, por causa que desencadeia doenças potencialmente mortais e, acima de tudo, o alarmante avanço que teve nas últimas décadas.

Muitas pessoas cedem ao impulso de comer desaforadamente e de forma compulsiva quando são submetidas a situações de raiva, stress ou falta de auto-estima. Se você come emocionalmente, se engorda irremediavelmente. Para controlar seu peso, “a pessoa deve controlar seus sentimentos, em vez de alimentar o ego com a comida que encontre em seu caminho”, observam os especialistas.

Comer em resposta a estímulos emocionais pode aliviar a tensão. Mas esta reação se torna perigosa para o peso corporal e a saúde quando se torna hábito, leva a comer em excesso e escapa ao controle do afetado.

Por que nos levamos a comida na boca quando nossas emoções desbocan? As raízes estão nos hábitos aprendidos na infância, quando se lhe dá de comer ao bebê que chora ou se dá um doce ao pequeno que sofreu um risco para consolá-lo, relacionando a comida com o alívio do desconforto.

Se uma pessoa come alimentos quando está alterada, inconscientemente trata de aumentar os seus níveis de serotonina, uma substância produzida pelo organismo que regula os estados de ânimo.

Quando se come muito para distrair, disfarçar ou ignorar os sentimentos se originam sentimentos de culpa, vergonha e raiva consigo mesmo por ter abusado da comida como um recurso. Também surgem o vazio e a frustração, porque as necessidades de afeto, comunicação, confiança, liberdade, sucesso ou de ser correspondido, não se vêem satisfeitos com a comida (com o que se cria uma nova tensão e um desejo de voltar a comer).

Os pacientes obesos ou com excesso de peso sustentam mitos como: “eu tomo um copo de água e engordo”, “é um problema glandular”, “eu faço dieta e perda de peso”, “não jantar”, “toda a minha família é pequena e por isso eu também”, etc., o que os leva a considerar-se vítimas de seus sofrimentos e circunstâncias e não lhes permite controlar o problema.

O seu excesso de peso representa a necessidade de proteção. Procuramos proteção de feridas, provocações, crítica, maus-tratos, etc., A obesidade reflete o nosso medo da vida. Quando sentimos que nos falta de afeto, quando depositamos nosso amor e a nossa confiança e nos sentimos traídos decepcionados ou não correspondidos, aparece a obesidade.

Quando temos a sensação de que a vida não nos responde como queremos, começamos a sentir-nos desprotegidos e isso se reflete no nosso corpo que cria uma proteção falsa: a gordura.

Agora, entendemos que os alimentos podem ter uma forte carga emocional e por que para a pessoa que sofre de obesidade é difícil abrir mão de uma de suas mais importantes fontes de prazer.

Por isso, coloca-se a necessidade de abordar psicologicamente esse problema com uma abordagem completa, ou seja, tendo em conta as variáveis cognitivas (crenças), afetivas (tratamento de estados emocionais displacenteros) e as variáveis ambientais (costumes, hábitos familiares, etc.). Caso contrário, qualquer tratamento ou cirurgia tenderá a fracassar e a obesidade vai voltar pouco depois.

Be First to Comment

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *